Para polemizar: Não existe resposta

Perguntas sem respostas

Dificilmente exista alguém que nunca tenha escutado a célebre frase “só sei que nada sei”, uma das frases mais realistas dita pelo homem, se não a mais. Praticamente todo mundo concorda com isso, até usam-na da forma mais leviana possível, mas poucos realmente colocam a ideia por de trás dela em prática. Quando Sócrates, o maior nome da filosofia, disse essa frase, tinha noção de que na verdade todos somos ignorantes, apenas em busca de alguma resposta plausível para nossas inúmeras perguntas. Quando um filósofo começa a trazer respostas, tornando-as verdades, deixando as perguntas de lado, ele não pode mais ser chamado de filósofo. E esse se tornou um dos maiores problemas que temos até hoje, falamos com firmeza sobre o que não sabemos, a dúvida se tornou a certeza. É normal que quando pequenas, as crianças perguntem o “por que” para tudo, inclusive para muitas coisas que não temos respostas. Sem certeza, “respostas” são dadas e essa situação continua pelo resto de nossas vidas.

As pessoas são medrosas e agarram-se na primeira coisa que as deem algum conforto diante de seus medos. Todos querem uma garantia que tem alguém que as ame, que cuide delas, que serão felizes se realizarem o que é dito como o certo e quem realiza o mal será punido, que no final justiça seja feita. Por isso que é tão fácil que a existência de deus seja tão certa, por mais que não exista qualquer prova que ele exista, é confortante ter alguém superior, por de trás dos panos que seja a resposta de tudo e garanta que no fim, a justiça seja feita. Não estou entrando no mérito se existe deus ou não, até porque não existe garantia que ele exista ou não. É mais que apenas uma questão de fé, é uma questão cultural, ninguém decide que acredita em um ser superior se ninguém importante disser que ele existe. E coma bíblia vem ditando “verdades” para as pessoas há séculos, por mais que seja um livro escrito por pessoas há tanto tempo atrás, com verdades tão credíveis quanto à história da chegada dos portugueses no Brasil nos livros de história que temos nas escolas.

Mas a questão que trago aqui não é religiosa, longe disso, é apenas uma ponta (uma grande ponta) do problema. Os ateus mais agressivos (que são tão chatos para se conversar quanto religiosos fanáticos) defendem a ciência como a resposta absoluta, justificando que o conhecimento que ela nos traz é muito mais válido do que simplesmente deus fez ou deus quis. Só que muitas pessoas esquecem que a ciência não é exata, ela apenas tenta explicar algo de forma racional diante dos nossos conhecimentos limitados. Basta olhar como entendemos os átomos, é apenas uma definição com sentido, não sendo a tal “resposta” final. É realmente a menor matéria que existe? Podemos dizer apenas que ela é a menor que conhecemos. Por isso que a ciência é tão importante, pois apesar dela não ser a resposta, nos faz entender um pouco melhor o desconhecido e traz novidades ao nosso mundo que mudam a forma de como o mundo funciona, apesar de nem sempre isso ser algo positivo.

Nós, seres humanos, temos uma arrogância enorme, e isso se deve por controlarmos o nosso planeta. Não importa o tão forte ou numeroso seja um animal, ele está exposto aos nossos desejos, necessidades e ambições. Essa superioridade nossa por tanto tempo nos acostumou mal, agora não vivemos apenas para caçar e procriar, vivemos em uma sociedade avançada em diversos aspectos (teoricamente), aonde trabalhamos para sobreviver. Agora somos o topo da cadeia alimentar, sendo ameaçados agora apenas por doenças e por nós mesmos. Com isso, nos tornamos tão prepotentes a ponto de falarmos dos animais com desdém, como se fossemos superiores. Muitos de nós parecem esquecer que também somos animais, guiados por nossos instintos, só que pensando um pouco mais. Teoricamente somos evoluídos, mas é difícil acreditar nisso quando olhamos como nos destruímos com violência pelos motivos mais patéticos possíveis.

Temos uma característica complicada: abstinência de verdades. Temos que saber o porquê de tudo para nos sentirmos melhor, menos impotente diante do desconhecido, que nos amedronta. Mas temos que entender que somos ignorantes e não temos como responder muito dessas questões que mexem com tanto conosco. Agora chego aqui com a prepotência de dizer que ou você continua no conforto de acreditar nas respostas que ditam por ai ou encara a dura realidade e entende que muitas de suas perguntas na verdade não tem resposta.